CONTATO

Contato:

tecnica@tecnicatreinamentos.com.br

(11) 99744-0606

(11) 2815-1285

domingo, 24 de outubro de 2010

Artigo - Prazos e Planejamento

Meus caros amigos, é com muita satisfação que inicio mais um artigo em parceria com o grupo MULTIWAY e neste, pretendo deixar um pouco de lado os assuntos exclusivamente técnicos e falar sobre um tema que acredito ser de extrema importância: Prazos para execução dos serviços.

Estamos vivendo um ótimo período para área de construção civil, finalmente a economia trouxe a tona o esperado espetáculo do crescimento de que se tanto falou nestes últimos anos, porém, esse espetáculo traz a reboque a fórmula prazos x execução, equação que não deixa de ser sempre um desafio que os planejadores e executores das obras procuram resolver.

As condições de trabalho imposta aos profissionais de projeto e de execução estão expondo um problema que envolve todas as áreas da construção, desde o planejamento inicial até a entrega final das obras, esse problema conhecido de todos, o nosso velho prazo de atendimento.

Com o aumento da demanda de projetos e obras na área de construção civil, nos deparamos com um cenário que há muito tempo não era visualizado por empresários e profissionais. Corremos contra o tempo, ou para cumprirmos os prazos requisitados ou para não perdermos o momento, que por sua vez traz todas as oportunidades que há muito esperávamos.

Ao trabalharmos com empenho e rapidez ficamos muito próximos de cometermos erros graves em decorrência do volume de trabalho ou porque o tempo previsto já está próximo do final e os prazos são talvez o mais importante quesito a ser atendido ou são os mais monitorados pelos coordenadores. Isso pode acarretar grandes problemas, quanto ao dimensionamento de materiais e a qualidade das obras.

Constantemente nos chega pelos noticiários de TV e radio que algum prédio desabou ou pegou fogo e sempre as causas apontadas são problemas estruturais ou curto-circuito, serão verdadeiras essas causas? Ou será o tempo dispensado para elaboração dos projetos não foi o suficiente para que todos os parâmetros exigidos fossem atendidos e os cálculos conferidos?

Com essa afirmação não eximo a culpa dos maus profissionais, que no momento da execução da obra preferem trocar os materiais especificados por outros de valor inferior ou mesmo utilizam materiais de fabricantes que sem nenhuma consciência aplicam matéria prima proveniente de roubos, como por exemplo, a fabricação de fios e cabos de cobre para o sistema de energia elétrica.

Voltando ao nosso foco principal, ao planejarmos a execução de determinado trabalho, temos que contemplar todas as etapas necessárias para que esse trabalho seja realizado de forma correta e que atenda as premissas iniciais solicitadas pelo cliente. O prazo total previsto deverá ser dimensionado de forma que exista tempo suficiente para que todas as etapas sejam cumpridas na sua integralidade, garantindo que a próxima seja executada sem qualquer duvida e o produto ou serviço seja finalizado como planejado.

Pela minha experiência, um projeto completo para construção de um edifício de médio porte (500 m2) leva em média seis meses, sendo que após sua construção esse mesmo edifício será utilizados por dezenas de anos ou mesmo centenas, pois o tempo de utilização das construções ultrapassa os séculos. Com isso podemos concluir que o trabalho intelectual voltado para o seguimento técnico é o mais prejudicado quando o assunto é prazo.

Espero que esse alerta ajude os profissionais de planejamento a serem mais generosos na hora de determinarem quanto tempo será destinado a cada etapa dos trabalhos de projetos e execução da obras.



13 de julho de 2008